ArabicEnglishPortugueseRussianSpanish
ArabicEnglishPortugueseRussianSpanish
diferença entre fertilizante e agrotóxico - ourogran

Entenda as principais diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos

As diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos muitas vezes geram dúvidas entre os produtores menos experientes ou até mesmo para o grande público, já que são dois dos conceitos mais comuns quando o assunto é agricultura. 

Neste artigo, vamos explicar para que cada um serve, elucidar suas diferenças mais significativas e ainda apontar as situações ideais para utilizá-los.

Então, acompanhe e informe-se conosco sobre este tema tão relevante para o campo! 

Quais as diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos? 

Compreender as diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos é algo relativamente simples.

Enquanto os primeiros servem para melhorar a qualidade e os nutrientes do solo, os segundos são direcionados à proteção das plantas. 

Em geral, os fertilizantes químicos atuam como uma espécie de adubo. Afinal, como a maioria dos solos do Brasil são pobres em termos de nutrição, eles permitem corrigir essa deficiência, tornando a terra mais apta ao plantio e estimulando sua produtividade. 

Já os agrotóxicos combatem ervas que podem prejudicar o plantio, além de insetos, fungos, animais e outras pragas.

Para isso, eles mudam a composição da fauna e flora do lugar. Além dos produtos sintéticos, eles também incluem orgânicos e biológicos usados para esse fim.

Quando utilizar fertilizantes e agrotóxicos?

Como você pôde ver, quando tratamos sobre a utilização de cada produto, as diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos são grandes. Inclusive, conhecer a função de cada um é bastante importante para evitar erros nas culturas. 

Enquanto os fertilizantes são usados para estimular o desenvolvimento das plantas com o fornecimento ideal de nutrientes, os agrotóxicos previnem e protegem a lavoura contra pragas e plantas daninhas. 

Outro ponto importante é que os fertilizantes podem ser usados em todas as etapas produtivas, desde a preparação do solo até o florescimento das culturas.

Já os agrotóxicos não podem ser empregados na etapa de germinação e nem na preparação do terreno. 

Fique atento aos possíveis riscos

o que é agrotóxico - ourogran

Com as diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos esclarecidas, é de suma importância ressaltar que o uso de ambos deve ser consciente. Afinal, aplicá-los de forma excessiva ou incorreta pode gerar sérios prejuízos para a plantação e para o meio ambiente. 

No caso dos agrotóxicos, eles têm alto potencial de poluição para o solo e para os recursos hídricos. Inclusive, seus compostos químicos podem persistir por anos no ambiente, gerando danos duradouros.

Somado a isso, a contaminação do solo pode gerar um acúmulo com a adição de agrotóxicos.

A concentração aumentada pode fazer com que as plantas absorvam os componentes químicos nocivos, gerando problemas de saúde em quem as consome. 

Quanto aos fertilizantes, tenha em mente que cada cultura necessita de produtos diferentes para se desenvolver.

Assim, isso significa que é fundamental usar os nutrientes certos, para que não ocorra desequilíbrio no solo. 

Se utilizados de forma errônea ou indiscriminada, os fertilizantes podem gerar a acidificação do terreno. Da mesma forma, isso também pode elevar as concentrações de metais pesados e de nitrato, o que prejudica o potencial de plantio na propriedade. 

Mesmo conhecendo as diferenças entre fertilizantes e agrotóxicos, é imprescindível ter uma boa assistência na hora de utilizá-los. Entre em contato com os nossos consultores, tenha acesso aos melhores produtos e garanta um uso adequado para eles.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cotação dos Grãos

Está gostando? Compartilhe!

Se cadastre em nossa newsletter.

Fique por dentro das últimas notícias do mundo do agronegócio, suas tendências e novidades.

Jamais iremos te mandar spam!

Veja também:

Fertilizantes

Tendências agro 2021: saiba como inovar no setor

Depois de vivenciar o ano mais turbulento da história do país, as pessoas anseiam por 2021. No entanto, este ano começou na segunda onda de covid-19 em muitos países incluindo o Brasil, mas pelo menos 5 anos de vacinas estão prontas para serem usadas em todo o mundo.

Leia mais >